Espiritualidade

Ordem Carmelitana

Ordem dos Carmelitas Descalços

 

Os inícios – Monte Carmelo

 

Os Frades Carmelitas nasceram no final do século XII, de um grupo formado por peregrinos e cruzados que, cansados da guerra ou desejosos de dedicar sua vida a Cristo, retiraram-se para a montanha do Carmelo, atual Estado de Israel, estabelecendo ali sua nova moradia. Adotaram o estilo de vida eremítico, dedicando-se à oração, à meditação da Palavra de Deus e ao trabalho manual.

 

Entre 1206 e 1214, pediram ao bispo Alberto Avogrado, patriarca de Jerusalém, que lhes desse uma Regra de Vida que servisse de meio para chegar a seu objetivo. Nela se define o ideal carmelita: “viver em obséquio de Jesus Cristo, servindo-O fielmente com coração puro e reta consciência”.

 

A falta de segurança na Terra Santa fez com que, a partir de 1220, os Carmelitas começassem a emigrar para a Europa, estabelecendo-se em Chipre, na Sicília, França e Inglaterra. Em 1291 já não há mais Carmelitas no Monte Carmelo.

 

A Ordem do Carmo, devido a suas origens eremíticas, adota o modo de vida mendicante. Com a aprovação da Regra por Inocêncio IV, tornou-se possível fundar conventos nas cidades e dedicar-se à pregação e à confissão da mesma forma que as outras Ordens Mendicantes (franciscanos e dominicanos).

 

Estabelecidos na Europa, e procurando sinais de identidade, desenvolveram a devoção ao profeta Elias, considerado protótipo de homem de oração, dedicado completamente à contemplação e, consequentemente à ação. Da mesma forma desenvolveram a piedade mariana, tornando-se a Ordem da Virgem. É com o estabelecimento na Europa que se generaliza o título com que oficialmente se conhece a Ordem: Irmãos da Bem-Aventurada Virgem Maria do Monte Carmelo.

 

Santa Teresa de Jesus e o Carmelo Descalço

 

A Ordem do Carmo cresceu e se espalhou por vários países da Europa. Como outras instituições antigas, com o tempo precisou de renovação. Várias iniciativas foram promovidas, porém, nenhuma marcou tanto a história da Ordem quanto a obra levada a termo por Santa Teresa de Jesus no século XVI.

Santa Teresa nasceu em Ávila, na Espanha. Com 21 anos entrou para o Mosteiro Carmelita da Encarnação. Era um mosteiro grande, com muitas religiosas e com sérios problemas de recursos para sustentar tantas mulheres. As dificuldades estruturais e a indisciplina comprometiam a vida religiosa na Encarnação.

 

Teresa, após decidir-se por uma vida mais simples, marcada pela oração, inicia em 1962 uma nova experiência carmelitana. Com poucas religiosas, numa casa pequena e pobre, orienta toda a vida religiosa para a oração e a fraternidade. Nasce, assim, o Carmelo Descalço, tendo como padroeiro do primeiro mosteiro São José.

 

Ao iniciar a reforma e, por conseguinte, uma nova Ordem, Santa Teresa não abandonou a antiga tradição espiritual do Carmelo, mas colaborou para uma nova maneira de compreendê-la e vivê-la.

 

Santa Teresa, de 1567 a 1582, se ocupará de várias fundações de conventos femininos. Em 1568 fundará também o primeiro convento de frades carmelitas descalços, tendo como primeiros candidatos à nova vida São João da Cruz e Frei Antônio de Jesus. Transmitiu-lhes não só seu estilo de vida, mas também seu amor à Igreja e zelo pela salvação das almas: seu ideal apostólico e missionário.

 

Nas Constituições dos Carmelitas Descalços definimo-nos como “uma Ordem antiga, que une a fidelidade à tradição espiritual do Carmelo com uma procura de renovação permanente”. Tradição e procura de renovação são duas atitudes trazidas ao Carmelo Descalço por sua mãe e fundadora, Santa Teresa.

 

 

Os Carmelitas Descalços no Brasil

 

Foi a Província portuguesa de São Filipe que fundou o primeiro convento carmelita no Brasil. Tendo chegado à Bahia em 1663, fundaram em Salvador o Convento Santa Teresa, em 1665. O convento no Brasil, além de ser uma presença da Ordem na Colônia, servia de ponto estratégico para os missionários quem seguiriam para a África. Também fundaram conventos em Olinda e assumiram diversas missões no vale do Rio São Francisco.

 

A fundação durou até poucos anos depois da Independência do Brasil. Por serem súditos de superiores portugueses, em 1840 os Descalços tiveram de voltar ao seu país.

 

O retorno dos Carmelitas Descalços ao Brasil só foi possível no início do século XX. Foram os frades italianos da Província Romana que restauraram a Ordem no Sudeste do Brasil. Fundaram conventos no sul de Minas Gerais, e depois no Rio de Janeiro e em São Paulo. Com o tempo se expandiram para outros locais do Sudeste brasileiro.

 

Espiritualidade

 

- A espiritualidade carmelita é uma forma de sentir e viver o Evangelho a partir de premissas que nascem da experiência dos “grandes santos” da família do Carmelo Descalço: Teresa de Jesus, João da Cruz, Teresa do Menino Jesus, Elisabete da Trindade, Edith Stein e muitos outros. São estas as premissas:

- A experiência de Deus e o desejo de comunhão com Ele.

- A experiência da salvação por Jesus Cristo, que transforma nossa vida.

- A fraternidade de uma comunidade teresiana como lugar de humanidade e experiência da presença de Deus.

- A contemplação do mundo a partir de Cristo crucificado e ressuscitado, presente e operante na história.

- A vida de oração como experiência da transcendência do Deus revelado em Jesus Cristo.

- O ascetismo como desprendimento do supérfluo e disponibilidade em favor dos seres humanos.

- Atenção ao estudo, ao trabalho e à vida em fraternidade.