Espiritualidade

São Luís e Santa Zélia

São Luís e Santa Zélia, pais de Santa Teresinha

 

Luís José Estanislau Martin (22/08/1823-29/07/1894), natural de Bordeaux, nasceu em uma família de militares. De temperamento contemplativo, quis ser monge na juventude, mas não foi aceito por falta de domínio do latim. Dedicou-se à mecânica de precisão, estabelecendo-se como relojoeiro/joalheiro em Alençon. Foi nessa cidade que conheceu Zélia, que viria a ser sua esposa. Da união nasceram nove filhos, dos quais cinco (todas meninas) chegaram à idade adulta. Após a morte de Zélia, em 1877, Luís mudou-se para Lisieux, onde testemunhou a entrada das filhas na vida religiosa. Teresa, a mais jovem, tornou-se carmelita descalça aos 15 anos e é hoje conhecida como Santa Teresinha do Menino Jesus. Também Leônia (Irmã Francisca Teresa), monja visitandina em Caen, morreu em odor de santidade. Aos 71 anos, Luís entregou sua alma ao Senhor, cercado pelo carinho dos parentes e a veneração de todos aqueles que em vida já o chamavam “o santo patriarca Martin”.

 

“Toda a vida de Luís Martin foi orientada para o serviço de Deus e do próximo, sem fechamento em si mesmo. Suas filhas constataram nele um progresso no domínio de si mesmo e na caridade. O caráter heroico e a constância dessa atitude manifestam-se de modo particular em um tríplice terreno: a aceitação generosa das provações, especialmente a morte de seus filhos e da esposa; a aceitação da vocação religiosa de todas as filhas; a paciência e espírito de abandono na enfermidade” (Positio).

 

 

Zélia Maria Guérin (23/12/1831-28/08/1877) nasceu em Saint-Denis-sur-Sarthon e recebeu uma educação tão rígida quanto profundamente cristã. Na juventude, também quis ser religiosa, mas foi aconselhada a abraçar a vocação matrimonial. Junto com Maria Luísa, sua irmã mais velha, abriu uma pequena empresa têxtil, na qual fabricavam e vendiam o famoso Ponto de Alençon. Após a entrada de Maria Luísa no mosteiro da Visitação de Caen, conheceu Luís, com quem casou em 13/07/1858. Vítima de um câncer no seio, faleceu aos 46 anos de idade, deixando o testemunho de uma vida solidamente edificada sobre os valores do Evangelho.

 

“A fé foi o princípio que animou toda a vida de Zélia Martin. Essa fé se manifestou em todas as circunstâncias de sua vida. Porque tinha uma profunda fé, assistia todas as manhãs ao Santo Sacrifício da Missa. Era sua fé ardente que fazia com que ela desejasse filhos, sobretudo para a glória de Deus. Era ainda a sua fé que a consolava no momento da morte seus filhos com a alegria de saber que eram eleitos do Céu. Em sua última enfermidade, vivia de fé, desejando principalmente o Céu. Sua fé se manifesta na educação dada às filhas. Irmã Maria do Sagrado Coração [Maria Luísa Martin, sua filha primogênita] dizia: ‘Para ela, o que contava era a santificação de nossas almas; ela dizia que, diante disso, o dinheiro não era nada’” (Positio).

 

 

Consagração das famílias a São Luís e Santa Zélia

Senhor Deus, Amor Misericordioso

Que não vos deixais vencer em generosidade,

Fostes o “primeiro servido”

No lar de São Luís e Santa Zélia Martin.

Por sua intercessão, consagramos a Vós as nossas famílias,

Para que estas sejam escolas de vida evangélica

Onde os pais, fiéis à sua vocação

E sob o olhar materno da Virgem Maria,

Sejam imagens vivas da Vossa ternura,

Eduquem seus filhos na fé,

Apontem-lhes o caminho do Céu

E nunca se cansem de dar testemunho do Vosso amor.

Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho,

Que no Espírito Santo vive em eterna comunhão Convosco.

Amém.